O satélite denominado Eros B, desde o inicio de Julho está plenamente operacional numa órbita acima do Brasil e vai auxiliar as operações de segurança durante os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos Rio 2016. Segundo o ministro da Defesa, Raul Jungmann, o satélite de alta resolução possui capacidade de visualizar e identificar objetos, pessoas, veículos e mercadorias.

De acordo com a Agência Espacial Brasileira, O Eros B opera a uma altitude mínima de 450 quilômetros de distância da Terra e é capaz de identificar objetos com 50 centímetros de tamanho, como por exemplo, a matrícula de um automóvel.

O satélite foi cedido por Israel por meio de um acordo bilateral e ficará à disposição do Brasil durante seis meses. Uma vez finalizada a Olimpíada, ele será empregado na vigilância de fronteiras.

Controle de fronteiras

O Eros B será totalmente controlado por militares brasileiros e suas imagens compartilhadas com todas as agências governamentais de segurança conforme explicou o coronel da Força Aérea Brasileira (FAB), Hélcio Vieira Junior. Segundo ele, o acordo Brasil/Israel permitirá futuramente mais transações comerciais entre os dois países.

As características operacionais do Eros B podem ser de muita utilidade para implementação final do Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras (Sisfron) do Exército Brasileiro, que será integrado por radares fixos e móveis, bem como câmeras e outros sensores instalados ao longo das fronteiras brasileiras.

Confira os detalhes do espião mais potente que já pairou sobre nossas cabeças:

Satelite Eros B, Olimpiadas Rio 2016