:: Ana Paula Lobo*
:: Convergência Digital :: 15/07/2009

Um dedo na ferida. Assim pode ser definida a conferência “TIC’s Como Instrumento de Desenvolvimento”, proferida pelo pelo secretário de Política de Informática (Sepin/MCT), Augusto Cesar Gadelha, durante a 61ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), nesta terça-feira, 14/07, em Manaus.

Para Gadelha, apesar de atuar na mudança de comportamento da sociedade, as TIC’s acontecem de forma tímida no país. “O impacto das tecnologias na vida das pessoas depende muito da infraestrutura. A questão da conectividade ainda é um embaraço que o Brasil precisa resolver”, observou.

“Em países desenvolvidos, por exemplo, existem bandas largas em alta velocidade com informações instantâneas. A gente ainda está aquém disso. Precisamos de uma informatização global e também de marcos regulatórios”, preoconizou.

O executivo destacou ainda a necessidade de aprovação de uma legislação específica, que determine o funcionamento da rede, estimule investimentos em infraestrutura e favoreça o acesso.

“Se queremos que o Brasil participe do crescimento da internet junto com os demais países precisamos promover a acessibilidade aos indivíduos. Neste sentido, é preciso que a sociedade também seja capacitada e incentivada a utilizar este meio”.

O secretário também falou das ações do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) para as áreas de software, microeletrônica, redes e mídias e da TV Digital (em fase de implantação).

Segundo ele, o mercado de TIC’s movimenta anualmente cerca de US$ 3 trilhões em todo o mundo, enqunto o Brasil ocupa o quinto lugar com uma fatia que compreende US$ 80 bilhões anuais.

Gadelha discorreu sobre a gestão do Plano de Desenvolvimento da Produção (PDP) e das propostas da Sepin para a desoneração tributária como incentivo às empresas produtoras de software. Ele citou os incentivos nas áreas de semicondutores e software como linhas de financiamentos e bolsas de estudos para a formação de projetistas em circuitos integrados.

“Para a consolidação do setor de microeletrônica construímos uma fábrica no sul do País, o Centro de Excelência em Tecnologia Eletrônica Avançada (Ceitec), a primeira do hemisfério sul a atuar neste segmento e temos certeza de que será um sucesso. Além disso, está em aprovação uma lei que desonera os fabricantes de software do País”, completou o secretário da Sepin.

*Com informações do MCT

fonte: www.convergenciadigital.com.br