Low cost Low fare. Essa era a proposta da Gol quando iniciou as suas atividades em 2000. Anos depois, a companhia aérea adquiriu a Varig. A partir daí, a empresa passou a administrar todo um legado que transformou a gestão da Gol, passando a ser gerida como uma organização consolidada no mercado.

A principal preocupação de Wilson Maciel Ramos, vice-presidente de planejamento e TI da Gol, foi buscar em novas tecnologias soluções para tornar o negócio competitivo, mesmo após a aquisição e a aposta foi na virtualização de servidores com plataforma Intel.

Depois de arrumar a casa da Varig, agora é a vez da Gol. A TI está com um projeto de virtualização em parceria com a Tivit, a ser concluído ainda no primeiro semestre de 2010. “Considero a virtualização algo que melhore a performance da aplicação, uma vez que há software que não é possível alcançar ganhos com a virtualização”, reflete Wilson Maciel Ramos, vice-presidente de planejamento e TI da Gol.

Ramos lembra que havia diversos e pequenos data centers com a infraestrutura da Varig espalhados entre o Rio de Janeiro e São Paulo, bem como servidores in house desatualizados. “A providência foi mover esses equipamentos para um ambiente controlado. Desenvolvemos um projeto com 90 servidores, consolidados em três em meados de setembro de 2007”, recorda-se.

O executivo diz que o projeto de virtualização de desktops, avaliado em 2008, será retomado em 2010. “No ano passado, analisamos o mercado e as soluções. Nosso objetivo é tornar o ambiente virtual à medida que os desktops ficarem obsoletos”, conta.

fonte: Decision REPORT