Tamanho
Da Fonte
por Kevin McLaughlin | ChannelWeb
15/07/2009
CEO diz também que Business Intelligence, busca e portais permanecem fundamentais no negócio da fabricante
Críticos têm apontado a nova ferramenta de busca da Microsoft, o Bing, como um sinal de sua obsessão com todas as ferramentas Google. Mas o CEO Steve Ballmer diz que o produto é um perfeito sinal do vigor sem precedentes que a empresa e seus parceiros trouxeram aos negócios.

Durante o encontro global de parceiros, que acontece em New Orleans (EUA), Ballmer saiu pela tangente em relação à situação econômica atual com o Bing e como ele se aplica ao canal. Desenhando um paralelo entre sua relação próxima aos parceiros, ele disse que o Bing é “uma demonstração tão boa de nossa tenacidade e compromisso, como nada que você já viu”.

Apesar da economia em recessão, “este é o ano mais fenomenal” que a Microsoft já teve em termos de lançamento de produtos, disse ele, referindo-se à onda de lançamentos nos últimos 18 meses, a começar pelo Windows 7 e Windows Server 2008 R2 e, depois, novidades no Office 2010, Windows Azure e outros.

Business Intelligence, busca e portais permanecem fundamentais no negócio da Microsoft por serem tecnologias que, por ora, apenas arranharam a superfície em termos da eficiência que oferecerão aos negócios, disse Ballmer. Na verdade, ele disse que “a questão mais frustrante” que ele recebe dos CEOs tem a ver com a dificuldade em encontrar a informação necessária para tomar decisões de negócios.

Para manter o ritmo de inovações, a Microsoft vai dar continuidade, no ano fiscal 2010, aos seus gastos com P&D em US$ 9,5 bilhões, em diversos nichos do negócio, segundo ele. Não se trata de uma aposta baixa, dadas as circunstâncias da economia e da falta de sinais concretos de que a recuperação está logo ali, na esquina. “Este é o mercado mais difícil que qualquer um de nós já trabalhou”, disse ele.

O mundo não está em recessão, ou em depressão, mas numa reorganização da economia, afirmou o executivo. “Literalmente, o mundo superaqueceu. Empresas e pessoas pegaram muito dinheiro emprestado e isso abasteceu compras que não poderiam ser feitas”.

Apesar de muitos fatores econômicos estarem fora do controle da Microsoft, a satisfação do cliente é uma área que pode ser modificada e melhorada, de forma a ajudar o negócio, sugeriu ele.

fonte: www.itweb.combr